sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

FREGUESIA DE DARQUE

REGIÃO             NORTE
SUB REGIÃO   MINHO LIMA
DISTRITO    VIANA DO CASTELO
CIDADE             VIANA DO CASTELO
FREGUESIA         DARQUE





HERALDICA
Publicada no Diário da República, III Série de 28/03/2001 




Brasão:
 Escudo de prata, “barco de rio acima” de negro, mastreado e cordoado do mesmo, vestido de verde, vogando sobre campanha diminuta ondada de verde, prata e azul, de seis tiras; em chefe, ponte metálica de dois tabuleiros de azul, firmada nos flancos. Coroa mural de prata de quatro torres. Listel branco, com a legenda a negro: “ DARQUE “.



Bandeira – 
Esquartelada de verde e branco, cordões e borlas de prata e verde. Haste e lança de ouro.

HISTÓRIA




Darque é uma freguesia portuguesa do concelho de Viana do Castelo, com 6,62 km²; de área e 7.798 habitantes (2001). Densidade: 1 177,9 hab/km²;


 Também conhecida como vila das cebolas e do bacalhau dada a uma antiga seca do bacalhau existente em Darque. É também a terra que dá origem a louça de Viana. 
 Em Darque também existe uma cultura desportiva muito influente sendo a canoagem um dos desportos mais praticados e com grandes resultados a nível nacionais também não esquecendo do futebol que bravamente joga nos campeonatos regionais mas dali não saem.
Na freguesia situa-se a afamada Praia do Cabedelo.



A primeira referência conhecida a Darque data de 985, encontrando-se num documento de doação do conde Telo Alvites: "in punto de Darque media portione integra" ("Arch. Port.". XXVII). No século XI continua a referir-se-lhe abundante documentação.
Nas Inquirições afonsinas, em 1220 e 1258, é citada sob a designação "De Sancta Maria de Arenis", localizando-se na Terra de Neiva. Vem mencionada nas primeiras Inquirições do rei D. Dinis, feitas em 1290, com a categoria de freguesia, pertencendo ao julgado de Neiva.
Na taxação de 1320, a igreja de Santa Maria de Areias, da Terra de Aguiar de Neiva, foi tabelada em 90 libras. No registo da cobrança das "colheitas" dos benefícios eclesiásticos do arcebispado de Braga, efectuado por D. Jorge da Costa, entre os anos de 1489 e 1493, o seu rendimento importava em 20 libras, o correspondente, em dinheiro com "morturas", a 1520 réis.
Em 1528, o Livro dos Benefícios e Comendas atribui a Santa Maria das Areias 20 mil réis de rendimento. Fazia ainda parte da Terra de Aguiar de Neiva. 
Esta freguesia passou a chamar-se Areias, voltando depois ao antigo topónimo Darque, tomando São Sebastião por orago.
Unia imagem do século XIII de Nossa Senhora das Areias, no lugar e capela da mesma invocação, recorda o primitivo orago e igreja.
Segundo o Padre António Carvalho da Costa a freguesia de Darque, à qual ele atribui Santo André por orago, era vigairaria da apresentação do abade de Anha.
A "Estatística Paroquial" e o "Dicionário Manuscrito", contudo, dizem que a apresentação pertencia à Basílica da Sé de Lisboa, no termo de Barcelos. Passou, mais tarde, a priorado.
 Em termos administrativos, pertenceu, em 1839. à comarca e concelho de Barcelos e. em 1852. à comarca de Viana do Castelo.

IGREJA


A igreja de S. Sebastião , em Darque- Viana do Castelo, tem painéis de azulejos que contam a história do martírio do santo e lindos retábulos de talha barroca do séc. XVIII. Existe no norte de Portugal e também um pouco por todo o mundo, o culto a S. Sebastião, que é o padroeiro dos pescadores de Matosinhos. 



S. Sebastião defende -nos também da fome, da peste e da guerra. Neste momento díficil que Portugal atravessa bem precisamos da protecção do santo.







Actividades económicas:

 Indústria, construção naval, pesca fluvial, comércio e hotelaria, porto de mar, turismo, Quinta de Santoinho, 3 parques de campismo, Praia do Cabedelo
Feiras:
Quinzenal, aos domingos
Festas e romarias:








S. Sebastião, Senhor da Saúde (segundo domingo de Agosto) e Senhora das Oliveiras, Senhora das Areias (primeiro domingo de Agosto) e S. Brás.


Património cultural e 
edificado:
                                                  Igreja paroquial, 
                                     Capela da Senhora das Areias, 
                                         Cais de S.Lourenço (1561), 
Paço Episcopal (séc.XVII), 
Capela do Senhor da Saúde (1848), vestígios da ponte de madeira (1818), 


                                                     Cais Velho, 
                                                    Centro Cívico, 
                               Monumento ao Pescador do Rio (2007), 
Capela da Senhora das Oliveiras, 
                                                Capela de S. Bráz, 
Capela de S. Roque, Capela de S. Lourenço, Capela da Senhora do Porto, Cruzeiros (Nossa SEnhora das Areias, Cais velho, Largo da Cruz e S. Brás). 
Outros locais de interesse turístico:
                                                Praia do Cabedelo, 
                                               Quinta de Santoinho,
                                                 Monte do Galeão e 
                                                         Rio Lima.
Gastronomia:
Sarrabulho, arroz de lampreia, debulho de sável e bacalhau

Debulho de Sável


O sável deve ser bem escamado e limpo. Em seguida, corta-se a cabeça e o deguladouro (posta junta à cabeça). Junto a este está o fígado ao qual se extrai o fel. Tiram-se as ovas e aproveita-se todo o sangue possível que irá servir para a calda. Cortam-se, também, o rabo e as postas mais pequenas.

Num recipiente, coloca-se então o debulho, que é composto pela cabeça, deguladouro, o rabo, as postas mais pequenas, as ovas e o fígado. Tempera-se com sal, salsa, louro, pimenta, cravinhos e cobre-se com vinho verde tinto. Deixa-se marinar durante umas horas.

Num tacho, pica-se uma cebola grande e deita-se um pouco de azeite, vai ao lume e logo que a cebola esteja estalada, adiciona-se um pouco de pimentão, o debulho e a respectiva calda. Cozido o peixe, retira-se para um recipiente ao lado. À calda inicial, junta-se a água necessária para cozer o arroz e uma boa colher de vinagre.

Assim que o arroz esteja cozido, junta-se o debulho e rectificam-se os temperos.

Deixa-se repousar uns minutos e serve-se o arroz a fugir pelo prato
Artesanato:
Miniaturas em madeira
Colectividades
Sociedade de Instrução e Recreio Darquense, ADD - Associação Desportiva Darquense e Associação Columbófila, Darque Kayak Clube, Clube de Futsal do Cais Novo, Corpo Nacional de Escutas, Associação Columbófila de Darque, Associação de Moradores do Cabedelo, Associação de Moradores do Santoinho, associação de Pescadores de Darque, Associação de Reformados de Darque, Centro Paroquial e Social de Darque, Clube Motard "Os Pacíficos".












5 comentários:

  1. Parabens pelo trabalho.

    ResponderExcluir
  2. Muito bom.
    Uma pequena rectificação: é capela da Senhora da Oliveira (singular) e não Oliveiras.
    Actualização: segundo o Censo de 2011, Darque tem 7.805 habitantes.
    De alguns anos a esta parte, as comemorações de São Sebastião, Senhor da Saúde e Senhora da Oliveira fazem-se numa única festa, em Agosto. Este ano, as designadas Festas de Darque, são nos dias, 22, 23, 24 e 25.

    ResponderExcluir