segunda-feira, 17 de outubro de 2011

FREGUESIA DE CAMPEÃ

rEGIÃO               NORTE

SUB  REGIÃO      DOURO

DISTRITO         VILA REAL

CIDADE           VILA REAL

FREGUESIA        CAMPEÃ

Heráldica
Brasão: 
Escudo de ouro, faixa de cinco burelas ondadas, de azul e prata, carregada de fonte heráldica, entrecambadas, acompanhada em chefe de aspa diminuta de vermelho e, em campanha, de pé de batateira arrancado de verde, florido de prata e com batatas de vermelho. Coroa mural de prata de três torres. Listel branco, com a legenda a negro: «CAMPEû.
Bandeira:
Azul. Cordão e borlas de ouro e azul. Haste e lança de ouro.
HISTORIA


A freguesia da Campeã foi dada como fôro à Mitra de Braga e à casa de Gonçalo Cristóvão num dos primeiros séculos da nossa nacionalidade; posteriormente foi foreira das casas do infantado, Morgado de Mateus e torre de Quintela. Alem disso, a Campeã pertenceu ao concelho de Êrmelo até 1855, tendo sido incorporada no de Vila Real, por decreto de 31 de Dezembro de 1853 (Diário do governo, nº3, de 04/01/1854), isto porque Êrmelo deixou de ser concelho e passou a ser freguesia do concelho de Mondim de Basto.

Esta freguesia é muito antiga e supõem-se ter sido fundada pelos romanos (devido a existência de vestígios arqueológicos na região). Sabe-se que os Reis lhe deram foral e a doaram aos frades do convento dos Jerónimos de Lisboa.


Os habitantes pagavam fôro aos frades e esse pagamento era enviado ao convento do Pombeiro. Posteriormente, esse fôro passou a ser pago ao Morgado de Vila Cova (esta também pertenceu ao concelho de Êrmelo, mas no momento que este deixou de existir, foi separada deste para pertencer ao de Vila Real), pois estes eram pessoas riquíssimas e tinham anexado a sua residência a colegiada de Santa Ana, com 5 frades e um capelão, sustentados pelos rendimentos do Morgadio. 


A freguesia da Campeã tem como orago e padroado, Santo André, facto que a levou a ser denominada em tempos de freguesia de Santo André da campeã. A igreja de Santo André é do primado da mitra primás, que a apresenta com título de abadia, pois o pároco desta freguesia ganhava a quarta parte dos frutos que se colhem nesta freguesia, e o restante dos dízimos dos tais frutos eram para a mesma mitra. 

O Abade desta freguesia era apresentado pelo Arcebispo de Braga e tinha como renda 700$000 Reis (na moeda antiga), isto porque o Arcebispado de Braga tinha domínio sobre esta aldeia (só até o sec XVI, altura em que a diocese de Miranda foi criada, passando esta a dominar a região de Trás – os Montes, incluindo esta freguesia), mas Vila Real era o Distrito Administrativo. Esta Freguesia era do infantado e povoação muito antiga.


Actualmente a confraria de S.Sebastião é a única à qual se realiza festa, conjuntamente com a do padroado e a de santa Ana. 


Nos seus primórdios esta freguesia apenas era constituída por 12 lugares: Vendas da Campeã, Lomba Meão e Telhada, Cotorinho, Parada, Viaris da Santa Cruz, Viaris, Vila Nova, Aveção do Cabo, Aveção do Meio, Aveçãozinho e Pepe. Cada um destes lugares, excepto Vendas pois ficava junto da Igreja, tinha a sua capela, que tinha como objectivo principal combater a heresia da população e administrar os sacramentos, excepto os sacramentos aos enfermos.
 

Segundo os censos realizado em 1930 a Campeã foi alvo de uma evolução e modificação a nível dos seus lugares, pois de 12 passou a contar com 17, sendo acrescentado o lugar da Balsa, Boavista, Chão – Grande, Pereiro, Pereira, Pousada, Montes; e foi retirado o lugar de Lomba Meão e Telhada.

Nesta freguesia existiram outrora, varias famílias nobres, como por exemplo os Botelho, os Amarais, os Borges e os Guedes, tendo estes últimos, uma pedra de armas no átrio do governo civil de Vila Real.
 

Favorecida pela natureza, a freguesia da Campeã está situada num vale do mesmo nome, num fértil e extenso planalto ladeado por elevados contrafortes da serra do Marão e do Alvão. Trata-se da segunda maior freguesia do concelho de Vila Real, com uma população residente de cerca 1623 habitantes, que se distribuem numa área de 23,9 km quadrados, tendo como resultado uma densidade populacional de 67.91 hab/km quadrados. É então de salientar, que 776 dos habitantes são homens, sendo o restante composto por mulheres e crianças (de acordo com os dados Preliminares obtidos no censos de 2001).

LOCALIZAÇÃO GOGRAFICA


Esta freguesia encontra-se na região Norte de Portugal, no extremo sudoeste do montanhoso concelho de Vila Real, a 41º/ 42º a Norte do equador e a 7º / 8º a Oeste de Greenwich. É limitada a Noroeste pelo concelho de Mondim de Basto e a Oeste pelo Concelho de Amarante e é ladeada pelos distritos de Braga e Porto a Oeste, Viseu a Sul, Bragança a Este e Espanha a Norte. 

A Campeã - Região compreende as freguesias de Campeã, Vila Cova e Quinta, limitadas a nordeste pela freguesia da Pena e a Este pela de Torgueda  Estas populações outrora mais isoladas, estão actualmente em união por ramais de estreitas estradas municipais que embocam nas estradas nacionais para Mondim de Basto e para Amarante. A sua distância relativamente à sede de concelho é de 14Km de boa acessibilidade através do IP4.

Estas estradas que atravessam a Campeã permitem-nos desfrutar de lindos panoramas do vale, e se subirmos ao alto do Velão teremos uma vista surpreendente desta região.
 O verde e o cinzento fundem-se em harmoniosa união; o verde dos campos férteis e viçosos e o cinzento das imponentes serras do Marão e Alvão que ladeiam esta localidade. Por estas serras caminham com avidez extensos ribeiros para se encontrarem no extenso vale, salpicado de aldeias de negro vestidas pelo xisto e pela ardósia. 



ATIVIDADES ECONOMICAS

Os rigores do frio e a aspereza das montanhas, não impedem que as pessoas desta região tenham como principal meio de subsistência a agricultura, (ou seja, o sector primário) onde predomina a cultura da batata e a exploração leiteira e a criação de gado bovino de raça «maronesa», para o qual possui excelentes pastagens. Dada a sua importância económica, realizam-se 2 feiras de gado nos dias 10 e 21 de cada mês, esta realiza-se na localidade com o mesmo nome (feira). Ligada à criação de gado surgem diferentes empresas, como suinicultura, ordenhas e vacarias.


A riqueza deste vale proporciona a produção variada de espécies vegetais, sendo produzido em maior quantidade o milho (sobretudo para a forragem do gado), a batata, o mel, centeio, trigo, feijão, castanha e outros produtos hortícolas que constituem a base da nossa alimentação. Para que estes produtos tivessem uma longa duração, eles eram colocados nos espigueiros ou canastros, que actualmente se encontram em ruínas. Não produz grandes quantidades de vinho por causa da frialdade do clima, no entanto nas povoações do Cotorinho, Montes e Parada, produz-se vinho em pequenas quantidades, mas em enormes qualidades sendo muito apreciado.  A superfície agrícola utilizada era, em 2001, de 1030h. Sendo a superfície agrícola não utilizada de apenas 5h.  

Mas este ambiente rural e pastoral é quebrado por algumas actividades do sector secundário, nomeadamente a exploração mineira, explorada em Vila Cova (região da Campeã) e transformada na freguesia através de uma empresa especializada com o nome de Vicominas. Actualmente estas minas estão desactivadas existindo apenas memórias e grandes armazéns abandonados. A população da campeã labora ainda na construção civil, que tem vindo a desempenhar um grande peso na vida da população e nos últimos anos tem tido um importante papel dinamizador,  com a existência de 7 empresas empregando assim um elevado número de pessoas, bem como na serração, no tratamento das madeiras utilizadas, das abundantes árvores existentes nestas vertentes.  A floresta é explorada em regime de co-gestão com os serviços florestais e os concelhos Directivos dos baldios.

Para além destas actividades a pequena indústria tem também desempenhado um papel importante, assim como a extracção de ardósia existindo uma indústria própria para o efeito (actualmente também está desactivada, existindo apenas um enorme armazém abandonado). Em tempos existiu também uma indústria de cal, explorada por uma empresa denominada «Empresa de cal da campeã, l.da», que produziu cal hidráulica, utilizando o calcário vindo de Campanhó (freguesia do concelho de Mondim de Basto).


EQUIPAMENTOS SOCIAIS

A Freguesia está dotada dos seguintes equipamentos sociais:

·                                                                                                   Sede da Junta
·         
     Posto de Correios
·         
Centro Social e Paroquial e Paroquial (IPSS)– valência de Apoio Domiciliário
·       
  Centro de Saúde


ORAGO


Mais sobre Santo André
Santo André (do grego Ανδρέας, «másculo», «viril»), santo e mártir cristão, um dos doze Apóstolos de Jesus, nasceu em Bethsaida, nas margens do Mar da Galileia (ou Lago de Tiberíades).
De acordo com o Evangelho segundo São João (1, 37-40), foi discípulo de São João Baptista, e cedo se tornou um dos primeiros seguidores de Jesus (com Pedro, de quem era irmão, e Tiago). Segundo Evangelho de São Marcos (1, 29), viveu em Cafarnaum, e foi um dos discípulos mais próximos do Mestre, mas os Actos dos Apóstolos apenas o referem uma vez (1, 13).
A tradição fez dele o primeiro bispo de Bizâncio, sendo por isso também o protector do futuro Patriarca de Constantinopla.
A tradição narra ainda que foi crucificado em 30 de novembro do ano 60 d.C. em Patras, no Peloponeso (na então província romana da Acaia, correspondente ao sul da moderna Grécia), numa cruz dita Crux decussata (em forma de ×), a qual tomou o nome de Cruz de Santo André.
De acordo com a tradição, as suas relíquias teriam sido trasladadas de Patras para Constantinopla, e daí, seguindo uma rebuscada lenda, para a cidade escocesa de Saint Andrews. Tornou-se então também o patrono nacional da Escócia, sendo a sua bandeira um decalque da Cruz de Santo André. Frise-se, por fim, que o crânio de Santo André foi devolvido pelo papa Paulo VI ao patriarca de Constantinopla nos anos 60, marcando um gesto de reaproxiamção entre a Igreja Católica e a Igreja Ortodoxa.
É festejado, tanto pela Igreja Católica como pelas Igrejas Orientais a 30 de Novembro.
Na Freguesia de Campeã a festa em sua honra realiza-se no 1º fim-de-semana de Agosto.



Gastronomia
Ganchas de São Braz

2 comentários:

  1. Apreciei bastante ler e ver esta página. Parabéns

    ResponderExcluir
  2. Ana de Fátima Medeiros29 de novembro de 2016 17:36

    me encantaram os olhos e a alma ver e ler esta pagina. Parabéns!

    ResponderExcluir