sábado, 23 de julho de 2011

FREGUESIA DE SABROSO DE AGUIAR


rEGIÃO      NORTE

SUB  REGIÃO   TRAS-OS- MONTES
DISTRITO BRAGANCA
CIDADE    VILA POUCA DE AGUIAR
FREGUESIA   Sabroso de Aguiar

Brasão:
Escudo de prata, com dois pinheiros arrancados de verde, frutados de vermelho, entre fonte de vermelho jorrando água de azul, em chefe e um maço e um cinzel, de negro, passados em aspa, em campanha. Coroa mural de prata de três torres. Listel branco, com a legenda a negro: «SABROSO de AGUIAR».

Bandeira: 
Verde. Cordão e borlas de prata e verde. Haste e lança de ouro



Selo:

Nos termos da Lei, com a legenda: «Junta de Freguesia de Sabroso de Aguiar - Vila Pouca de Aguiar».

Freguesia de nascentes... Mãe da "Àgua das Pedras"



Sabroso de Aguiar, uma aldeia situada em Trás-os-Montes pertencente ao concelho de Vila Pouca de Aguiar, distrito de Vila Real.
O povoamento desta freguesia é já muito remoto, podendo aqui encontrar-se alguns vestígios da passagem Romana, como é o caso da Capela Romana da Senhora do Loreto da qual resta agora apenas a imagem da Santa, é também o caso da Ponte Romana, que caiu devido as fortes chuvas que se fizeram sentir há cerca de um ou dois anos.


Sabroso de Aguiar foi elevada a freguesia dia 16 de Julho de 1993, até então era uma aldeia pertencente a freguesia de Vreia de Bornes.


Sabroso de Aguiar, uma aldeia como tantas outras em que as pessoas trabalhavam e viviam apenas do que a agricultura e a pecuária lhes proporcionavam. Hoje as principais actividades económicas já não são a agricultura e a pecuária, apenas as faixas etárias mais avançadas se dedicam sobretudo as este tipo de actividades, pois a aldeia foi-se desenvolvendo e com isso foram criados novos postos de trabalho no sector secundário.

Como por exemplo, a implementação da zona industrial, onde existem oito fábricas das quais uma de fabrico de calçado, quatro de corte de pedra, uma serralharia, uma oficina de mecânica, e uma de café.
Isto apenas na zona industrial, porque na povoação de Sabroso existem ainda uma serralharia, duas oficinas de mecânica, uma fábrica de corte de pedra, e também uma fábrica de queijo.

Todas estas fábricas contribuem para o crescimento e desenvolvimento da aldeia pois não criam apenas postos de trabalho para as pessoas de Sabroso de Aguiar mas também de outros locais. Estas fábricas oferecem também a possibilidade a muitas pessoas, sobretudo mulheres que não
tiveram a oportunidade de estudarem, de conseguirem um emprego.


Mas não é tudo, existem ainda mais duas principais actividades, que são as pedreiras, e que empregam uma parte considerável da povoação masculina, a outra parte dedica-se à construção civil, que é também uma das actividades mais praticadas e mais rentável. Neste momento, a agricultura e a pecuária já não são actividades exercidas como sendo fontes de rendimento, mas como lazer e apenas para consumo próprio.

Património Arquitectónico
Sabroso de Aguiar possui muitas marcas históricas relacionadas com a religião e outras que simplesmente fazem parte das tradições e dos costumes da aldeia.

É o caso da Capela Romana da Nossa Senhora do Loreto, da Ponte Romana, mas também da

Capelinha da Nossa Senhora dos Caminhos e também da Capela de


Santo Amaro, que é o padroeiro da freguesia.
A Capelinha da Nossa Senhora da Piedade é toda ela feita em pedra e tem uma imagem da Senhora da Piedade na qual esta, com uma balança, dizem as pessoas mais idosas, se encontraria a pesar as almas.
A Capelinha da Nossa Senhora dos Caminhos encontra-se na berma da Estrada Nacional e é muito visitada por todos os que por lá passam. A Capela de Santo Amaro foi renovada há cerca de meio ano, as obras ainda não estão totalmente concluídas, e é aqui que são celebrados todos os actos religiosos.


 No que diz respeito a marcas históricas relacionadas com os costumes e as tradições de Sabroso de Aguiar, destaque para as nascentes termais, das quais uma se encontra totalmente renovada. Estas nascentes são muito conhecidas pois antigamente daqui que se retirava a água, a qual chamam actualmente, Águas das Pedras.
 Outra marca histórica, e que ainda é visível, é a estação de caminhos férreos, situada a pouca distância das nascentes termais.
Fazendo um pequeno apanhado temos também os tanques que antigamente eram mais utilizados pelas mulheres que se deslocavam até lá para lavarem as suas roupas. O brasão é outra marca histórica que se encontra desenhada na parede de uma casa antiga.


Festas e Romaria

Sabroso de Aguiar é também conhecido pela grande festa popular que aqui se realiza no mês de Agosto, a festa em honra da Nossa Senhora de Fátima, que se prolonga durante quatro à cinco dias. Mas, esta festa, não é a única realizada em Sabroso de Aguiar. Durante todo o ano são realizadas mais três, embora mais pequenas, sendo algumas delas apenas religiosas.
Todos os anos ao dia 15 de Janeiro é realizada uma festa em honra do padroeiro da aldeia o Santo Amaro, é uma pequena procissão acompanhada por uma banda que no final se reúne no chamado largo da festa e anima as pessoas tocando os seus instrumentos.



Uns meses mais tarde, no dia 13 de Maio é realizada uma procissão de velas em honra da Nossa Senhora de Fátima, em seguida temos aos 16 de Julho altura pela qual é realizado um baile para celebrar a elevação da freguesia.
Outra tradição em Sabroso de Aguiar é a Encomendação das almas, todos os anos durante o período da Quaresma reúne-se um grupo de pessoas de várias idades, e por volta das 21h00, dirigem-se a um local previamente escolhido, normalmente um local bastante alto de forma a que toda a povoação possa ouvir as suas orações, orações estas que são feitas em cânticos. E desta forma ficamos a conhecer mais um pouco de uma aldeia um tanto ou quanto desconhecida no interior de Trás-os-Montes.
RANCHO



 



 










Gastronomia

Posta Maronesa

Ingredientes:

1,2 pkg de carne de vitela mirandesa;
 sal grosso, de preferência integral (sem substâncias quimicas).

Preparação:

1.  O lume das brasas deve estar forte no inicio.
2.  As brasas incandescentes devem estar distribuidas de forma regular no fogareiro ou lareira de forma a proporcionarem uma distribuição uniforme do calor.
3.  A grelha deve ser colocada a uma altura de cerca de 10 cm das brasas.
4.  A carne deve ser cortada em postas com uma espessura de 3 a 4 cm (cerca de 300 g por posta).
5.  Coloque a carne na grelha sem tempero nenhum.
6.   Após esta operação, e caso o deseje, tempere com sal grosso.
7.  Volte a carne, sem espetar, quando aparecerem pequenas pérolas de sangue na superfície superior.
8.  O tempo que a posta está na brasa depende do seu gosto pessoal, consoante prefira a carne bem ou mal passada.
9.  Para conservar a suculência da carne, esta não pode ser picada.
10.             Ao voltar a posta, o lume deve estar forte, para que se crie uma crosta que impeça a saída dos sucos.
11.             Contudo, esta crosta não deve ser espessa, porque senão o calor penetra na carne de forma deficiente e a posta acaba por ficar queimada por fora e mal grelhada por dentro.
12. Acompanhamento: batata cozida com casca e salada.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário